Sobre Nós


O jornal semanário “O Povo Famalicense” nasceu à viragem do século, em Novembro de 1999, para revolucionar o panorama da imprensa escrita nacional. Radicado em Vila Nova de Famalicão, fugiu à tradição de títulos subscritos por assinatura, apostado na proporcionalidade da informação relativamente à publicidade, único meio da sua subsistência enquanto projeto empresarial editorial. 

Arrojou ainda no modelo de distribuição, porta a porta, e para o território concelhio de acordo com o número de habitantes por freguesia, estabelecendo assim uma relação privilegiada entre o órgão e os seus leitores e parceiros comerciais. 

Atento às mudanças de paradigma no que toca às novas formas de comunicar, há cerca de doze anos lançou o seu primeiro site na internet, disseminando ainda mais a informação que até à data era transmitida apenas no formato papel. Com isso, chegou a mais pessoas e foi muito para lá das fronteiras do concelho, estando, nomeadamente, disponível para a vasta comunidade famalicense a viver fora do país. Porque “todo o mundo é composto de mudança”, como já dizia o soneto de Luíz Vaz de Camões, é chegada a hora de voltar a agitar as águas. É animado dessa vontade de fazer cada vez mais e melhor, que “O Povo Famalicense” lança este novo site, mais interativo, e por isso mais próximo daquela que serve: a comunidade famalicense.

Estatuto Editoral

“O Povo Famalicense” é um jornal de periodicidade
semanal e distribuição gratuita que tem como referência
a informação rápida, isenta e rigorosa, incida ela em
acontecimentos sociais, recreativos, culturais ou em
assunto de carácter publicitário. Trata-se de um
semanário com uma tiragem de 20 mil exemplares, para
dar voz aos anseios da população do concelho
famalicense, com a missão de promover as suas
diferentes actividades, e sem ter a veleidade de pôr de
parte a colaboração da sociedade civil. Neste particular,
está receptivo à colaboração da massa estudantil,
facilitando estágios académicos e profissionais, e
assumindo assim a sua faceta de entidade empregadora
de quatros jovens portugueses.

. Nos tempos que correm, com os ditames a serem
emanados de uma aldeia global dominada por
interesses económico, ganham particular
importância os aspectos relacionados com a ética, a
responsabilidade e a isenção. Como tal, “O Povo
Famalicense” faz por acautelar os direitos,
liberdades e garantias dos cidadãos, divulgando as
notícias e as informações publicitárias com base nos
princípios da veracidade e da competência. Do

mesmo modo, está atentos ao cumprimento
escrupuloso das normas constitucionais, tendo
presente o respeito por todas as raças, credos e
ideologias.
. “O Povo Famalicense” não pactua com qualquer
tentativa de invasão da privacidade dos cidadãos e
não envereda pelo caminho fácil da exploração de
bisbilhotices. Os cidadãos só devem ser objecto de
notícia se fizerem alguma coisa para o serem e,
mesmo assim, se os termos da notícia lhes não violar
os direitos à imagem, ao bom nome e á reserva da
intimidade.
. Os jornalistas e colaboradores de “O Povo
Famalicense” têm de assegurar-se de que existe um
interesse público relevante para o contacto que
desejem estabelecer e obter autorização expressa
das pessoas contactadas para o registo de
declarações, som e imagem, excepto nas
circunstâncias e locais em que essas pessoas já
deviam estar prevenidas para tal eventualidade e as
razões da sua notoriedade justifiquem o ângulo de
abordagem. Todos aqueles que escreverem neste
semanário não devem tirar qualquer partido da
eventual posição privilegiada que detêm junto da
opinião pública para forçarem a boa fé ou temor de
pessoas, de modo a expô-las publicamente contra a
sua vontade.

. A inserção de publicidade no jornal “O Povo
Famalicense” tem de estar convenientemente
sinalizada, de modo que os leitores estabeleçam sem
dificuldade a destrinça entre o que lhes é fornecido
como informação e o que lhes é sugerido com fins
publicitários.
. Mais do que informar em quantidade, “O Povo
Famalicense” pretende informar com qualidade,
sacrificando sempre tudo aquilo que é considerado
acessório em detrimento de tudo aquilo que é
essencial. Por outro lado, tem como ponto de honra
o emprego correcto e ajustado das regras
linguísticas, assumindo-se como órgão de
comunicação social com enormes responsabilidades
na protecção da Língua Portuguesa.
. “O Povo Famalicense” tudo faz por adoptar um estilo
agradável e correcto, tendo sempre presente que a
escrita jornalística tem de ser clara, directa, simples
e correcta.